quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Hendecassílabo 3a, 5a e 11a



Imagem inédita da superfície do Sol feita pelo
Solar Dynamics Observatory em abril de 2010.



STELLA MATUTINA


As estrelas são figuras do passado
Que adormecem pálidas pela manhã
E despertam lúgubres de cintilado
Predizendo em plenas trevas o amanhã.


E trajando um manto de nuvens eternas
Elas, santas, sacras, sábias da verdade,
Adornadas sempre por jóias supernas
Resplandecem mesmo na vil tempestade.



Mas ressurge estrela que as outras ofusca
Derrotando a chuva, derrotando a vida...
Nela cada estrela a luz suprema busca



 Cada ser procura consolo, esperança...
E a beleza dela é tão grande e perdida
 Que a mim seu sublime raio nunca alcança.


                                      Rommel  Werneck

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

APHRODISIAKOS - E-BOOK POESIAS SENSUAIS


Apresentação:

Estes versos concebidos sob as sagradas leis, bênçãos e apelos de Afrodite pretendem, de forma simples e poética, fazer as vezes destes estimulantes do apetite e do prazer sensual a fim de excitar e despertar a luxúria e os desejos libidinosos mais íntimos e mais secretos do(a) estimado(a) leitor(a) que por aqui se aventurar, pois como acreditava Anais Nin (e eu também), "o erotismo é uma das bases do conhecimento de nós próprios, tão indispensável como a poesia". [Alessa B.]

Comentários:
"A poeta cumpre aqui o papel da gueixa, da sacerdotisa, de Afrodite, todos esses seres que estimulam arquetipicamente em nós a libido, os calores mais íntimos, as fomes mais profundas. Sem perder o ritmo e o compasso, ela sopra com maestria e talento os vapores que nos estimulam ao prazer. Seu eu lírico levita em forma de ninfeta, cujo gozo verseja em verbos aquosos na boca de um Eros inebriado".
[Magmah - jornalista e poetisa]

"E neste mundo imaginário, em que tocados pelos versos, nos envolvemos a ponto de sentir na pele o real calor da poesia incandescente, afogados nesse fogo alimentado pelo sabor picante da pimenta e de outros alimentos e elementos igualmente afrodisíacos, atingimos, enfim, o clímax da orgasmática pungência literária".
[Axills - músico e poeta]
 

Links para download:




terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Meu primeiro gregoriano (2010)


Meus primeiros versos em gregoriano anapéstico (3a, 6a e 9a). Mas publicando somente agora pois registrei a pasta em outubro passado.





 


NÓS, 
OS POBRES MORTAIS



Nós, os pobres mortais desta terra,
O céu nunca devemos galgar,
Mas nos versos podemos cantar
A beleza que nunca se encerra.


Vossa força nos vem despertar
O gelado vulcão, dura guerra!
E eu abaixo da mais baixa serra
Como quero vos ver no alto mar!


Oh! No mar que nascestes um dia
Nessas vossas espumas fatais
Em que sois nossa grande poesia!


Já que vós nos Elíseos reinais
Vinde cá visitar algum dia
Vossos servos, os pobres mortais!


Rommel  Werneck


 Venus Goddess of Love - Cross Stitch Chart
 Designer: Maria Diaz
Link